sexta-feira, 31 de outubro de 2014

Infinitamente pessoal

Imagem: Carlo Ferrara, fotógrafo italiano.


Revisitando o passado
vi um tempo absolutamente estéril,
entregue à aridez, execrável e assustadora,
onde a esperança esparsa, caminhando 
por estreitas veredas, fugia à perseguição dos cães. 

Fetos humanos banhavam-se no fluído amniótico
dos ventres cerrados e descansavam na extensão
da sombra dos arvoredos copados, cujos ramos
inferiores dos vegetais lenhosos protegiam
de choques mecânicos e térmicos das intempéries.
Já a voz do vento servia de alimento e refúgio
para o ermo arenoso que adornava a pálida paisagem
onde residia o lamento.

José Lima Dias Júnior – 31.10.2014

quinta-feira, 30 de outubro de 2014

Mergulhando nas sombras

Imagem: Adrian Donoghue, fotógrafo australiano.


Antes que minha alma em desatino
 encontre refúgio na solidão,
a existência não se encontra perdida
e sem razão para continuar a viver,
mas busca uma forma para se libertar.
Quem vive a não liberdade, não vive,
rasteja-se.

José Lima Dias Júnior – 30.10.2014

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Ir

Imagem: Igor Zgrablic, fotógrafo croata.


Minha
alma
nômade
segue
em
romaria
pelo
finito
afora.

José Lima Dias Júnior – 29.10.2014

Ver com acuidade

Imagem: Nasser Haji, fotógrafo árabe-emiradense.


Apreender as relações humanas
em uma dada realidade histórica
é entender a si mesmo
olhando firme em direção do presente
[caminho que dever ser percorrido por todos],
onde o fluxo de consciência marca a nossa subjetividade
mesmo que o tempo permanecendo curvado por um instante
vai fazendo uma constatação da sua existência
sem se arrastar entorpecido para o infinito
quando expele do seu ventre
a luminescência que precisamos.

José Lima Dias Júnior – 29.10.2014

terça-feira, 28 de outubro de 2014

Em busca de si mesmo

Imagem: Djow Pereira, Mossoró-RN.


A minha existência precede a essência,
onde a liberdade é o único fundamento do Ser,
por que nada é dado e definitivo.

Se existo, me descubro,
apareço no mundo para depois me definir
quando me faço a si mesmo
quando sou o presente defronte para o passado
quando escapo para fora de si mesmo
e me vejo como aquilo que se evade
quando ocorre em espaço de tempo limitado
quando me vejo perante um ser para além de mim.

José Lima Dias Júnior – 28.10.2014

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Irrefletidamente

Imagem: Basem Al-Qasim, fotógrafo saudita.


Quando a palavra
se lança irrefletidamente,
na verdade, a luminescência
chega até nós, revelando-se insuficiente
no instante preciso de sua vulnerabilidade
seja qual for à via adotada para esse efeito.

José Lima Dias Júnior – 27.10.2014

No mesmo limite de tempo

Imagem: Desislava Ignatova, fotógrafa búlgara.


Há traços largos, usando um tempo
que se impôs tardiamente,
onde cada um permanece em seu lugar
mesmo que não tenhamos quaisquer possibilidades
de incrustar as zonas periféricas, já que a vida dos homens
evoca frequentemente o purgatório, ou mesmo o inferno,
de um mundo em si mesmo.

É aí que o sol faz brilhar as cores mais vivas
manifestando as liberdades que se alojam em cada espírito,
que se passam no mesmo limite de tempo, porque a meus olhos
a existência se esclarece de maneira bastante lúcida, cujas cores
podem encaminhar-se em conjunto numa mesma direção.

José Lima Dias Júnior – 27.10.2014


Dias tão sólidos e tão duradouros

Imagem: Miguel Cabezas, fotógrafo espanhol.


Um tempo ardiloso e cruel não concedia a liberdade
afirmando a sua força e se revelando a nossos olhos,
ainda que os instantes, um pouco apressadamente,
se agrupassem neste afã mesmo sabendo que
os dias tão sólidos e tão duradouros, na verdade,
nos faz aperceber da existência quando expatriamos
o que está escondido dentro de nós.

José Lima Dias Júnior – 26.10.2014

domingo, 26 de outubro de 2014

Tempos que coexistem

Imagem: Colmar Wocke, fotógrafo suíço.


A esperança se revelará a nossos olhos
ainda que as manhãs disformes amanheçam
submissas ao tempo dos homens
onde os instantes reagrupados concebem
o tempo do mundo, pleno como uma esfera,
cuja textura desafia minha íris.

José Lima Dias Júnior – 25.10.2014

sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Ainda há tempo

Imagem: Cibo Heriansyah, fotógrafo indonésio.


Corrigir nossas falhas
antes que o fim se aproxime
torna-se necessário.

É reinserir no tempo e,
portanto, devolver a si mesmo
as diversas reelaborações,
mais ou menos profundas,
inscritas na subjetividade,
das variações e dos traços
distintivos que há em nós.

José Lima Dias Júnior – 24.10.2014

quinta-feira, 23 de outubro de 2014

Deixar para trás

Imagem: Mario Buzancic, fotógrafo croata.


Tudo o que transpuser a porta estreita
lembrará o passado
perambulado sob os meus olhos
mesmo que um fluxo contínuo
não substitua os encontros intermitentes.

José Lima Dias Júnior – 23.10.2014

Caminhos que se atravessam

Imagem: Leonie Kuiper, fotógrafa holandesa.


Percorri todos os caminhos
na direção do ontem
e num esforço contínuo
meus passos permaneceram
imunes ao passar do tempo.

Com os movimentos limitados, mas vivos,
as manhãs se dilatam imperceptivelmente,
se forjam pouco a pouco, prefigurando
o próprio mundo em que vivemos.

José Lima Dias Júnior – 22.10.2014

terça-feira, 21 de outubro de 2014

Voa sanhaçu-de-encontro-azul

Imagem: Lindolfo Souto, fotógrafo brasileiro.


Canta, canta sanhaçu
que o tempo é passageiro.

Vai com o vento que te sopra
feito um rio que ainda flui
prova as sobras da caatinga
junto com os sabiás-laranjeiras
implorando outros pássaros o desejo
de voar.

José Lima Dias Júnior – 21.10.2014

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Preenchendo um espaço vazio

Imagem: Aida Ianeva, fotógrafa italiana.


Sem opções disponíveis preencheste
com as cores do silêncio as narrativas de vidas
que no curso das ações e descuidos humanos
o destino não revelou a transcendência da morte,
já que a vida em movimento se torna necessária
e possível.

José Lima Dias Júnior – 20.10.2014

domingo, 19 de outubro de 2014

Intenso negrume

Imagem: Harry Kramer, fotógrafo alemão.


A dor,
a solidão
e as perdas
são afluentes
que deságua na alma.
É relativo ao ser em si mesmo
[exprimindo o existente múltiplo e concreto]
por mais que a realidade seja opressiva,
triste e irremediavelmente perdida
onde a luz de pretéritos crepúsculos custa romper
o intenso negrume das sujas manhãs presentes.

José Lima Dias Júnior – 19.10.2014

sábado, 18 de outubro de 2014

Só me resta esperar

Imagem: Enjo Mathew, Emirados Árabes.


Tudo em mim é espera
ainda que retire a harmonia 
e o silêncio que há n’alma.

José Lima Dias Júnior – 18.10.2014

quinta-feira, 16 de outubro de 2014

À procura

Imagem: Roberto Pestarino, fotógrafo italiano.


Quando as enfermidades
disputam entre si o organismo vivo,
a alma em transe repousa no silêncio do nada
procurando numa forma de existência sobre-humana
a seiva vital que não lhe cause a degenerescência.

José Lima Dias Júnior – 16.10.2014

Quando todos os excêntricos foram considerados loucos

Imagem: Colmar Wocke, fotógrafo suíço.


Passado os anos me refiz
quando juntei com tal desespero
os pedaços de mim
e valorizei os instantes inconscientes apáticos
mesmo que demasiadamente tensos vi
os seres enfraquecidos... os alienados de hoje
e os neurastênicos de amanhã, embora normais,
todos em estados mórbidos insistiam
em mostrar através de suas lânguidas faces
à cólera do mundo exterior
quando todos os excêntricos foram considerados loucos.

José Lima Dias Júnior – 15.10.2014

segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Perscrutando a existência

Imagem: Santiago Pascual Buyé, fotógrafo espanhol.


Em busca de esperança esquadrinhei o infinito para sentir minha própria alma, onde o intelecto humano brota da razão depurada dos espíritos livres. Meus passos, em silêncio, ficaram irreconhecíveis quando foram desbotados pelo sol. A vida se distanciava, caminhando pelas ondulações do tempo sem dizer uma única palavra. Eis que sol em brasa se inflamava ao ver a paisagem árida reclamar febrilmente por um pouco d’água.

José Lima Dias Júnior – 12.10.2014

sábado, 11 de outubro de 2014

Destino inexorável

Imagem: Michael Bilotta, fotógrafo norte-americano.


Cada vez que o homem
se tem mostrado inexorável
e logo que [abandonado ao acaso]
tateando cegamente a miséria
expele excrescências e detritos
pelos poros da alma.

José Lima Dias Júnior — 11.10.2014

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

À sombra do tempo

Imagem: by Kubookigoon


Quando uma forma
mais embrutecida
se manifesta
todos se acolhem
à sombra do tempo.
Aquilo tão-somente
se propaga como epidemia.

Pujar pela verdade
é redesenhar o traçado
limitado pelas linhas
mesmo que os cúmulos-nimbos
torne opaco o céu
antes que a intolerância turve a consciência.

José Lima Dias Júnior – 10.010.2014

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Em-busca-de-si-mesmo

Imagem: JP Palmunen, fotógrafo finlandês.


Aluíste todas as manhãs
quando criaste um mundo sombrio.
Lúcido e benévolo descobri no homem
um pedaço de civilização
sem desfazer os traços de humanidade
que há em mim.

O que havia de mórbido
foi substituído pelas grandes paixões
ainda não destruídas
sem justificar a necessidade da fé.

Inebriante ficou
ao desejar o que nos é negado
para alcançar sempre
o que nos é proibido.

José Lima Dias Júnior – 09.10.2014

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Eterno retorno

Imagem: Hengki Lee, fotógrafo indonésio.


Quando a luz meridiana
me fez retornar ao ventre materno
me vi desprovido de significação e de fim
quando mantive a crença no homem
por fazer perdurar em sua existência o ócio,
a incredulidade e a devassidão como níveis
para elevação da alma.

José Lima Dias Júnior – 08.10.2014

Quando condenamos a existência

Imagem: Mariano Belmar, fotógrafo espanhol.


Resta-nos suportar os resíduos saturados do profeta que caiu em desuso quando herdamos da casta redentora a miséria dos homens, onde reina a mentira e a sujeição diante de nossos próprios olhos. Enquanto cremos na inverdade, condenamos a existência.

Ludibriados por uma falsa crença marchamos entoando hinos em direção a um não-ser universal que através de um fluxo permanente afirma que cria e transforma todas as realidades existentes, navegando na ideia de um governo superior. Deste modo, tornamos humanos quando ultrapassamos a si mesmo.

José Lima Dias Júnior – 08.10.2014

terça-feira, 7 de outubro de 2014

Qual um pássaro profético

Imagem: Mariano Belmar, fotógrafo espanhol.


Há um tempo
apartado dos homens
onde é preciso nos recolher
para curar nossas feridas
e deixar que a existência
alcance o término do seu curso,
qual um espírito audaz
caminhando pelas veredas do futuro
onde predominam os impulsos de morte.

José Lima Dias Júnior – 07.10.2014

segunda-feira, 6 de outubro de 2014

No silêncio do cotidiano

Imagem: Basem Al-Qasim, fotógrafo saudita.


Minha palavra não se faz testemunha silenciosa
quando o grito estiver contido n’ alma.

Manifestar-se-á pelo tédio dos dias
embriagado pelo vômito dos homens,
mas não profetizará o que virá, revelará
o avesso das multiplicidades do cotidiano
onde os dias se descortinam, desvelando
o que há em nós.

José Lima Dias Júnior – 06.10.2014

Inerente a toda existência

Imagem: Lee Jeffries, fotógrafo inglês.


Quando a dor
[inerente a toda existência]
for marcada pela fugacidade dos desencontros
tornará mais intensa à inquietação d’ alma.

José Lima Dias Júnior – 06.10.2014

domingo, 5 de outubro de 2014

Memória espaço-temporal

Imagem: Girdan Nasution, fotógrafo indonésio.


Evocando o passado víamos às lembranças
tornarem-se um elo vivido no eterno presente
sem bloquear o esquecimento,
mesmo que houvesse uma descontinuidade,
pelas idas e vindas ao tempo que escolhemos
sem renunciar a temporalidade que nos resta.

José Lima Dias Júnior – 05.10.2014

sábado, 4 de outubro de 2014

Religação cósmica

Imagem: Lee Jeffries, fotógrafo inglês.


Quando os deuses pisaram em êxtase
o barro do qual fui moldado, prossegui
permeado por um universalismo abstrato
expressando uma religação cósmica
sem perder a superfície das coisas.

Abandonar, no alto mar, nossas esperanças
é sempre penoso, mesmo que aprofundemos
o fosso da incerteza.

José Lima Dias Júnior – 04.10.2014

sexta-feira, 3 de outubro de 2014

Solitário caminho

Imagem: Raul Santua, fotógrafo português.


Face à anemia existencial
que paira sobre nós
é necessário poetizar cada manhã
para, assim, criar & transformar todas
as realidades existentes. 

Banir toda ameaça
antes que a barbárie retorne
é essencial quando se deseja avançar,
mesmo que desnorteado, persistimos
naquela vida erma.

José Lima Dias Júnior – 03.10.2014

Fluxo permanente

Imagem: Tian Youdu, fotógrafo chinês.



Vivemos uma profunda metamorfose
evidenciada pela saturação do Eu
mesmo que não consiste no que há
de eterno e fundamental no devir.

Ingressar na intensidade dos instantes
desvelando as inverdades que estão aí
não parece ser uma tentativa de negar
os profundos estratos de nossa natureza
humana.

José Lima Dias Júnior – 03.10.2014

quarta-feira, 1 de outubro de 2014

Linhas convergentes

Imagem: Lee Jeffries, fotógrafo inglês.



A loucura e a lucidez
tão claramente delineadas
pontuam a existência humana
ao perseguir fragmentos das trajetórias
enquanto reproduz a ordem do submundo
onde encontramos formas de expressões diversas.

E passo a me apropriar delas como lugares para onde
convergem minhas inquietações.  

José Lima Dias Júnior – 01.10.2014

Um dia comum

Imagem: Tian Youdu, fotógrafo chinês.


A sua existência e singularidade
não se torna oculta aos olhos do tempo
mesmo que a sombra e a luz se entrecruzem.

Quando desperdiçamos nossas reservas de vida
os instantes não devolvem o tempo perdido,
ainda que os homens afaguem suas entranhas
quando acordam da letargia.

José Lima Dias Júnior – 01.10.2014